Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

43 e picos

Palavras à solta #13

Quem me conhece, sabe o tanto que o Alentejo me diz e o quanto significa.
Mas para quem só agora está a chegar eu nunca me canso de repetir, AMO de paixão o Alentejo e tudo o que com ele vai e vem na bagagem.
Terra de gente humilde, amiga, despretensiosa, e ao contrário do que se diz, apregoa e faz piada, muito trabalhadeira :)


No Alentejo sou feliz, sou livre, sonho mais alto e por mais tempo acordada. Os cheiros fazem-se sentir com maior intensidade, e o silêncio aprecia-se até de madrugada. As noites são serenas, as horas esperam por nós, o Sol pede autorização para se pôr.
Na primavera, verão, outono e inverno, são vários e distintos os odores da terra, todos sublimes, poderosos, acolhedores e tão característicos. A árida paisagem que nos transporta em sonhos até às conquistas aos Mouros, as duras batalhas que ainda hoje se travam, mas desta feita contra as secas e faltas de apoio do governo.
As oliveiras que de verdes passam a pretas antes da apanha da azeitona, os majestosos sobreiros que nos dão a tão internacionalizada cortiça, as vinhas a perder de vista, os campos de lavanda e de girassóis, os saborosos caracóis.
A fantástica arquitetura, o planeamento urbano, as ruas estreitas que abrigam do sol e seu calor, as igrejas e os altares de rua, a cal nas paredes, a faixa azul aqui e amarela ali, as laranjeiras que ladeiam avenidas e libertam o magnífico odor da sua flor, as muralhas e a sua história. As chaminés e lareiras que nos acolhem em pé, que viram fumeiros, as braseiras, os chouriços, as migas, os espargos e a açorda.
Alentejo... o início do Sul, sinónimo de bom tempo, muito tempo, tempo de qualidade, passeios, reuniões de família, reencontro de amigos, e de férias.
Nasci em Lisboa e moro pelas redondezas de tamanha e frenética cidade, mas é no Alentejo que mais me identifico e sou ainda mais feliz.
Alentejo da minh'alma, onde se encontra tudo isto...

http://www.mun-aljustrel.pt/menu/106/a-regiao.aspx
http://www.portugalnotavel.com/category/concelhos/distrito-beja/
http://www.panoramio.com/photo/46454365





http://pserafim.blogspot.pt/2009/10/ribatejo-extraccao-de-cortica.html








http://www.globeholidays.net/Europe/Portugal/Alentejo_Central/Evora/Alentejo_Acorda5.htm

planícies | pôr do sol | girassóis | alfazema | papoilas | olival | apanha da azeitona | sobreiros [recolha da cortiça] | vinhas | casas | igrejas | fontanários | lareira | enchidos e queijos | azeitona | migas | açorda | caracóis.

Só míminhos #4


Míminhos... míminhos... mas desta feita não eram para mim, e sim para vocês :)
Há umas semanas lancei a dúvida sobre uma surpresa que estava para chegar, lembram-se?
Recordam-se ainda deste post? em que no final vos coloquei a questão: "conseguem adivinhar qual foi o meu favorito?..." 


Pois é Piquinhos, foi o nº 1, aquele onde tirei a fotografia bem do lado, convenhamos que bem ajudei ;)
Mas como ninguém respondeu, decidi gozar eu o prémio, e fui dar uma voltinha no fim de semana a seguir, que agora vos mostro só um cadinho numa de mete nojo ;)
Terei de repetir o "passatempo", parece-vos bem?...


Vale a pena mencionar #13

Este post teve origem numa reportagem que me chegou por mãos amigas, [obrigada M...] e pela enorme vontade de partilhar isto convosco.
Começo por pedir desculpa quanto ao facto do video estar em inglês e sem legendas, mas o assunto é demasiado importante e delicado, por isso vale mesmo a pena ser mencionado.

Resumindo e traduzindo:
As irmãs Sonia e Anita, de 12 e 6 anos respetivamente, nasceram cegas, no seio de uma família pobre na Índia. 
Os pais não têm condições financeiras para pagar uma simples cirurgia [que custa 300 dólares] para curar a doença das meninas, uma vez que ganham 17 cêntimos à hora a plantar arroz.
Graças à organização 20/20/20 sem fins lucrativos, que opera sem custos crianças em países em desenvolvimento, Sonia e Anita ganharam a visão.
É uma experiência incrível ver uma criança ou um adulto que eram cegos abrirem os seus olhos e verem. Alguns choram, outros gritam de felicidade. Outros ficam demasiado em choque para fazerem o que quer seja, ficam só a olhar à volta e absorver o que os rodeia”, refere a organização no seu site.

A Blue Chalk Media fez uma curta-metragem da vida destas meninas antes e depois da cirurgia, e o momento em que Sonia e Anita ‘viram o mundo’.


First Sight: Sonia and Anita from WonderWork on Vimeo.

Dicas & Truques #8

Passámos estes últimos meses numa relação aberta, tão cúmplice, livre, feliz, despreocupada, fosse qual o caminho escolhido, ou o chão que pisássemos, os apertos eram algo do passado, as dores nunca se fizeram sentir, mas agora, tudo mudou [...]


dita-nos o calendário, que acabou o verão e iniciou-se o outono, e com isso, acabou a liberdade meus meninos, bye bye sandálias, havaianas e afins... 
Estou a falar dos nossos pezinhos, que andaram meses à vontade, a ver a luz do dia e da noite, à larga, livres e tranquilos, descalços na pedra e na areia, mas pronto, já chega!
Meus queridos, agora vêm ai os sapatos fechados, as botas e botins, está oficialmente declarada a opressão sapatariana!
Quem já calçou botas ou sapatos mais fechados nestes últimos dias que levante o rato... e foi fácil? conseguiram sem qualquer tipo de dificuldade? ou estiveram para ali às voltas com a sensação de terem [inexplicavelmente] aumentado um número ou dois de calçado?
Assim, no sentido de ultrapassar esse desconforto, existe uma dica/truque super eficaz, ora atentem :)

Considerações #13

Quantas vezes dizemos nos sentir como o tempo, e ontem não podia ter havido melhor analogia.


Tal como a neblina da manhã, que não nos permitiu ver até ao horizonte, deixando-nos somente adivinhar o que haverá para além da sua cortina de fumo, ontem foi dia para muitas dúvidas, alguns receios, borboletas no estômago e adrenalina q.b.
A filhota começou as aulas numa escola nova, a muitos quilómetros de casa, ambiente desconhecido, pessoas até então estranhas, método e regras novas, um mundo por descobrir...
Até o caminho para lá era-nos desconhecido, facto que originou uma tremenda aventura.
Porque a dia 22 não faz sentido comprar o passe [que por sinal custa a módica quantia de 97€], também porque o temporal de domingo não nos permitiu chegar a casa cedo e descansar as recomendadas 8 horas, e para não correr o risco de chegar tarde, decidi ir levá-la de carro.
Na melhor das intenções [para fugir ao trânsito das povoações] decidi ir pela auto-estrada, mas não sabendo, perguntei ao portageiro o caminho, grande asneira!!! 
O Sr. enganou-se e fez-me ir parar a Alverca, sendo obrigada a voltar para Lisboa. No regresso, um acidente que nos fez vir em pára-arranca por 40 minutos, quase 10€ em portagens, 128 desnecessários quilómetros depois, e meia hora de atraso, lá chegámos à nova escola.
Foram extremamente simpáticos, compreensivos e muito acolhedores, valha-nos isso, boa sorte querida, que Deus te proteja e ilumine, tenho fé que este recomeço seja aquilo que te fazia falta :)

Para fora cá dentro #3

E depois de uma semana menos boa, em que muito se teve de assimilar, digerir, pensar, ponderar, decidir e reorganizar, foi finalmente tempo para descansar, sair de casa, arejar a cabeça e as ideias, procurar na natureza e em quem nos faz sentir tão bem, um novo ponto de equilíbrio... fomos até ao Alentejo :)
À chegada, tínhamos o francisco à nossa espera...
Na manhã seguinte fomos até aos pés da Serra, buscar água a uma fonte [nascente] e ouvir com toda a atenção os ensinamentos da Ti Maria...
 A seguir ao almoço foi tempo para um passeio de bicicleta, sem destino...
 Agora fica escuro mais rápido, é hora de voltar para casa...

Um magnífico entardecer, que mais parecia estarmos em África, momento maravilhosamente captado pela filhota :)
Domingo não houve lugar a atividades nem a passeios, foi só descansar... descansar... descansar...
De regresso a casa apanhámos a maior tempestade que tenho memória, a noite virava dia com a quantidade de relâmpagos, o limpa pára brisas na velocidade máxima e não se conseguia sequer ver a estrada, a seguir a Montemor-o-Novo algumas luzes do tablier começaram a piscar, tivemos mesmo de encostar e esperar...